Mais sobre a elite burguesa de Pirituba: um direito de resposta  

Posted by Flavio Morgenstern in , , , , , , , , , , , , , ,

Meu penúltimo texto, sobre a elite burguesa golpista... de Pirituba, foi postado no grupo do Yahoo! DCE da USP, onde se discute os rumos que esta agremiação terá (a saber, se será dominado pelo PSTU, pelo PCO ou pelo PSOL).

Tendo se tornado então alvo de uma saraivada de faniquitos, ataques de pelanca e gritinhos histéricos de esquerdistas prontos a falar em "burguesia" e "classe trabalhadora", com dorso da mão à cintura e pézinho a fustigar violentamente o assolhado, este escriba põe-se à ingloriosa tarefa de responder aos discursos de assembléia de meus novos queridos leitores.

Cito (não farei uso do sic nas citações para não poluir o texto, dada sua necessidade a cada 4 palavras):

isso é o que um direitista imbecil pensa sobre classe média...

classe média é um termo para designar a mentalidade dominante nesse tp de grupo social.

Não quer dizer que alguém qdo ganha 4800 passe a ter essa mentalidade. Isso é uma argumentação tacanha pra, no mais, tirar uma onda pros amigos de ideologia.

Muito menos que um dono de pizzaria da periferia seja um burguês imperialista branco. Como essas mulas não entendem, usam os conceitos superficialmente a seu gosto.

Deixa eu ver se eu entendi: uma azêmola aleatória diz que "classe média" não se faz por dinheiro, e sim por ideologia, e quer me ENSINAR isso - sendo que essa idéia foi a que justamente EU passei na porcaria do texto, mas parece que o pateta achou que ele que estava escrevendo conforme lia.

Depois, para confirmar a minha própria exposição, um outro pascácio se surpreende com os votos de Pirituba:

o texto é uma bosta, mas me despertou uma curiosidade. Alguem poderia me passar essas estatisticas que dizem que pirituba "votou em peso" no Serra?

Ora, não foi bem isso o que eu disse: que os INTELECTUAIS, filósofos, sociólogos, petistas e demais acéfalos da ala chulé da extrema-esquerda uspiana fazem dados e mais dados supondo uma lutinha show da Xuxa de "ricos x pobres", e se sentem tomando uma voadeira na orelha quando descobrem que a realidade é bem mais complexa do que eles pensam?!

Caso minha argumentação esteja errada, mostrem como o pensamento de Emir Sader, Marilena Chaui (vide o que ela diz lá no fim: http://bit.ly/fiDG1L), Paulo Arantes, Luis Nassif, Paulo Henrique Amorim, Azenha et caterva se coadunam com o fato de até Sapopemba votar no Serra, e não só uma "elite branca burguesa golpista", nunca formalmente indigitada.

Poderia também perguntar como o pensamento de VOCÊS pode ser compatível com esta realidade (visto que falam em "classes", sem entender a distinção aristotélica entre classe, gênero e espécie), porém, quem, em sã envergadura colhônica, estaria interessado no que universitários de esquerda pensam?!

Não demora muito para aparecer outro energúmeno e tenta "refutar" os dados passados usando os extremos da população:

O argumento que ele usa, por si só, já é escroto. Mas o mais interessante ée como ele manipula os dados pra construir toda ladainha que ele chama de argumentação.. haha. è tão óbvio pelo mapa que as regiões mais ricas e centrais tiveram uma votação mais expressiva no Serra, enquanto as regiões mais periféricas e pobres tiveram ou uma votação equilibrada (o caso dE Pirituba que não votou "em peso" no serra) ou bem mais expressiva no PT (o caso das regiões realmente mais pobres da ZN - Brasilandia, Perus - e praticamente TODA a periferia da ZL e ZS)

Só pra efeito de informação, dei uma pesquisadinha rápida, dos 25 bairros com o menor IDH o Serra não ganhou em nenhum no 1º turno e em apenas 1 no segundo turno (Sapopemba, com a grande vantagem de 4%). Enquanto nos 50 bairros de IDH mais elevado (que foi até onde eu olhei) todos deram Serra.

Isso não quer dizer q o PT é ótimo pra periferia e é a grande solução, só demonstra que a periferia sabe o que é e a quem serve o projeto político do PSDB/DEM.

Como se eu tivesse citado UM MÍSERO DISTRITO ELEITORAL situado ou no lado extremo-rico, ou no lado extremo-pobre da cidade - e vem dizer que EU estou manipulando dados por isso!!

É exatamente o que o psiquiatra Paul Sérieux denominou "le délire d'interprétation", a doença mental daqueles que se recusam a deixar que a realidade determine seus pensamentos, preferindo que suas interpretações apriorísticas dos fatos determinem... os próprios fatos.

Só para se ter uma idéia, Santana teve uma votação maior em Serra (76%) do que HIGIENÓPOLIS (74%). Então os "bairros mais ricos" da cidade votam no Serra... por que são os bairros mais ricos da cidade?! Tudo o que um universitário comunista consegue interpretar da realidade é tentar atribuir intenções malévolas ao voto das pessoas pelas quais têm preconceitos, e atribuir intenções principescas ao voto dos ignorantes?

Coroa a salada russa de clichês da ala chumbreca da esquerda melcatrefe um outro molóide determinando a cereja vermelha:

E isso não quer dizer muita coisa, também. A classe trabalhadora vota em políticos burgueses, via de regra.

Em primeiro lugar, gostaria de saber se o motoboy em questão deixou de ser "classe trabalhadora" quando montou uma pizzaria, tendo trabalhado e poupado mais do que seus pares para levar a cabo tal empreendimento.

Depois, gostaria de saber onde ficavam os burgos do Brasil - porque é bastante estranho falar em "burguesia" em um país que não tinha feiras comerciais que enriqueceram a população mercantil em oposição aos feudos, podendo assim enriquecer. Até onde perceba, a própria "classe média" brasileira enriquece na base do emprego mais disputado do país: o concurso público, onde se pode ganhar o michê de um gênio do empreendedorismo fazendo o serviço inútil de um cagalhão.

Já que não foi apresentado NENHUM argumento contra o que eu apresentei (apenas uma tentativa de espancar números até que eles confessassem, mas a atribuição da "manipulação de dados" ao autor), fico por aqui, não contra-argumentando argumentos etéreos, mas simplesmente dando a caçoada final na turminha progressista, que considera progresso a Revolução de 1917. Eu ainda prefiro um iPod. E os piritubanos também.

Meus amplexos à "intelligentsia" esquerdista que nem pegando de galera consegue deixar de apanhar até sangrar.

This entry was posted on segunda-feira, fevereiro 07, 2011 at 03:02 and is filed under , , , , , , , , , , , , , , . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

1 pessoas leram e discordaram

Ironia em desqualificar o eleitor do bairro? Desmerecer o responsável pelos dados estatísticos dos votos no PSDB? Deboche aos moradores serem chamados de "burgueses"?? Demétrio Magnoli (Sociólogo e Geólogo brasileiro) é um famoso esquerdista da USP e, com mil perdões, neste caso tem sim um grande cérebro e faz muito bem o uso dele: diz que se "um intelectual fala bem de qualquer governo, tem algum problema, provavelmente quer um emprego"! Ele discorre com toda a razão quando cita o equilíbrio entre a igualdade e a liberdade (ideais da Revolução Francesa) e que esses ideais também podem ser manipulados, dependendo das bases em que se apoiam! A esquerda de hoje poder ser a direita de amanhã e vice-versa! Com todos os trancos e barrancos, o fato é que esses ideais nunca foram tão buscados pelo povo! Não tenho nenhuma simpatia pelo PT, mas parece que das opções políticas que restaram e considerando os instrumentos de conteúdo de que a população dispõe, foi o único partido que conseguiu corrigir
anos de distorções sociais como nenhum outro "dantes na história deste país", com a criação do "bolsa-família" e todas as redistribuições sociais "inovadoras" do governo Lula, (ainda que o termo encerre muitas
dúvidas!), haja vista a proeza, quando comandou a nação, de sua alta popularidade até mesmo entre os mais nobres e os ditos "intelectuais de direita" com o "surgimento" da "nova classe-média", a "descoberta" do elevado IDH do Basil e da introdução do país no "G8", ainda que para isso muitas meninas de famílias miseráveis tenham engravidado nos estados mais pobres do Brasil para garantir o direito ao bolsa-família; de que essa difinição de "nova classe-média" seja apenas um novo estigma para injetar nas veias do povo um pouco mais de autoestima, e que o G8 não tenha passado de um reles "conto da carochinha" para levantar o moral "terceiro-mundista" do Brasil. Talvez tudo isso (real ou não) possa sim ser considerado como um grande "desconto" pelos anos de roubalheira sórdida dos governos (elitistas) anteriores, (sem descontar a própria roubalheira do PT) que em troca nada deram ao povo, apenas corrupção, inflação caos e atraso! Chamo isso de processo de "amadurecimento político"! Afinal, como um povo semi-analfabeto pode escolher um governo que o direcione no caminho certo, sem cultura, sem educação e um mínimo de subsistência para isso? Será que não devemos dar a nossa mão à palmatória e reconhecer que o PT foi simplesmente revolucionário? Que o Sr.Magnoli então nos explique! Ah! Pirituba, desde que surgiu em 1885 sempre foi um bairro de classe média, sem esse estigma "intragável" de "nova classe média"! Ademais e por qual razão Paulo Henrique Amorim, Luis Nassif, Emir Sader ou Mino Carta desceriam o sarrafo na população de Pirituba? Por puro deboche?

9 de outubro de 2012 20:48

Postar um comentário