Cadê o PT oldschool, o PT de raiz, o PT 89?!  

Posted by Flavio Morgenstern in , , , , , , , , , , , , ,

"Eu quero um Lula modelo 89, sem arranhões." - André Dahmer

No aniversário de 31 anos do PT, cabe sempre perguntar por que ainda existem petistas nesse mundo, além do fato de o PSDB não ter investido em Educação.

Há razões por demais óbvias para o partido ter mudado tanto. Mas não há como discutir suas vantagens e desvantagens: desde 2002, o argumento central do petismo resume-se a "Nós ganhamos", e toda dialética de cotejamento de idéias se encerra sob esta verdade científica.

O PT no Brasil pode ser confundido com a própria esquerda (a extrema-esquerda, que a cada 2 reuniões racha e cria um novo partideco, não conta). Como toda a esquerda, defendia ardentemente uma idéia antes de galgar ao poder, e passou a defender as idéias opostas assim que teve o poder em mãos.

Mas onde está aquele PT oldschool, o PT de raiz, aquele PT que passou a década de 90 inteira dizendo que o PSDB era "neoliberal", sem nunca definir o que diabos é isso (muito menos a diferença entre um liberal e um neoliberal) por ter "mania de privatização"? Por que subiu ao poder e, ao invés de reestatizar tudo, se gaba de ter mais dinheiro em caixa do que seu "herdeiro maldito", podendo até repassar certo michê para seus cupinchas (afinal, todo escândalo de corrupção passou pelas estatais: Petrobras, Correios, Caixa, Banerj, Embraer).

alca2.gifA intelligentsia brasileira universitária saudava apenas cinco anos antes da queda do Muro de Berlim o tratado de Paul Kennedy, Ascensão e Queda das Grandes Potências, que profetizava como os EUA iriam ruir, pela dialética marxista que determina que o capitalismo não "se agüenta" depois de um tempo, graças a seu orçamento militar, e o mundo, capitaneado pelo terceiro mundo (não os BRICs) se curvaria ante à nova potência: a União Soviética.

Foi-se o partido político que, apoiado maciçamente por sociólogos, historiadores e demais "intelectuais" que continuam a grassar pelas Universidades, pregava contra Collor o "socialismo", mas um tal de "socialismo democrático" - estrovenga inventada ad hoc da boca para fora quando a queda do Muro mostrou o quanto uma população sob um regime socialista quer se livrar do explorador capitalismo do outro lado, que misteriosamente era chamado de "imperialista".

alca1.jpgPor falar em imperialismo, não só o período pré-Cortina de Ferro foi jogado na lata de lixo da História, como repetia tanto Trotsky: a década de 90 inteira também, misteriosamente, desapareceu. Na década de 90, a cada aula de Geografia e História ouvíamos ad nauseam que o maior perigo para o Brasil era uma tal de Alca, que iria tomar nossos empregos, diminuir o salário de quem ainda conseguisse se manter nos seus postos e escravizar toda a população aos desmandos do Império do Norte.

Marchas e mais marchas fecharam a Avenida Paulista, pois era urgente dificultar o acesso aos 34 hospitais da região (8,4 mil dos 33,6 mil leitos, ou 25% dos leitos da cidade) com urros de "Fora FHC e o FMI!" para conscientizar a muque a população de que apenas o PT no poder poderia evitar que o Brasil sucumbisse com força total ao capitalismo yankee.

Em seu nono ano no governo, uma "simples" ameaça de elevar o IOF de 0,38% para mais de 4% fez com que um novo petista (só se vira petista depois de velho a soldo)heloisa_helena.jpg divulgasse uma nota desmentindo a notícia com a contra-prova que sempre calou a boca do mundo: uma frase do ministro da Fazenda negando que um governo de esquerda estivesse pensando em aumentar impostos. Ora, os caudatários do estatismo contrário ao capital não deveriam lamentar que o Imposto não vai mesmo aumentar, pois quanto menos a vilâ "classe média" consumir nos EUA, mais faremos pela derrocada do Império? Afinal, para um esquerdista, a melhor ação que um governo pode promover não é aumentar impostos?

A coisa é suspeita: quando pega mal para seu próprio eleitorado (dos sindicalizados do ABC á classe média que "adotou" Lula, ao não vê-lo mais como um Lech Wałęsa sem sintaxe), a prova de que o PT é bom é que ele não tem mais o imperialismo americano como inimigo, e que vai deixar o brasileiro consumir no exterior à vontade - exatamente o mesmo aumento de consumo que proibia à classe média, antes de descobrir qual o melhor caminho para faturar votos.

Lech Wałęsa, diga-se, foi a síntese da esquerda até a década de 90, e deve ser um nome emblemático a ser lembrado para se compreender a atual política externa petista. Pego com a mão na botija em escândalos que mostram que sindicalistas no poder, aqueles que "lutam pelos trabalhadores", não são lá exatamente a melhor opção para estes mesmos trabalhadores LechWalesaTIME1980.jpg(sempre a confirmar o dito de Hayek sobre leis trabalhistas), foi espinafrado do posto de queridinho da esquerda mundial (id est, da esquerda que, até então, ainda não subira ao poder). Frei Betto, em mais de uma carta a Lula, onde o trata por amigo, lembra da decepção da esquerda mundial com a corrupção de Wałęsa - embora os mortos da mais próspera ditadura da América Latina sejam vítimas de um amigo que o mesmo Frei Betto defende até hoje - o Fidel Castro, que pode ter madado dólares para a campanha do PT em 2002 (como indicou o desastroso depoimento na CPI dos Bingos do economista vladimir Proleto, ex-assessor de Palocci na prefeitura de Ribeirão Preto envolvido nas denúncias), enquanto sua população vive com a menor desigualdade social da América Latina, com salários varianto de 12 a 20 dólares por mês (o mesmo que se obtém, no mínimo por mês, em 2 horas de trabalho na Califórnia).

E se o consumo indica adesão ao regime vigente, ao invés de um rigoroso combate a ele, por que cada acordo comercial firmado por Lula é saudado como mostra de que o mundo finalmente olha para o Brasil com bons olhos e a imprensa internacional o saúda (ao mesmo tempo em que chama o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para escrever nesta imprensa), quando a tal Alca assustava tanto os petistas?

Por fim, hoje não se comemora apenas o aniversário de 31 anos do PT: em 2003, num golpe fatal do Destino, a única força cósmica do Universo com senso de humor, o PT comemorou seus 24 anos de idade justamente quando veio à público a mais contundente denúncia sobre corrupção no PT, sarney_dilma_pac.jpgenvolvendo o ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz - um dos nomes petistas que, a despeito da consabida ignorância da população, hoje mal conseguiria se eleger como vereador nos velhos currais eleitorais de onde saem os caciques de sempre... e, de Maluf e Roberto Jefferson a Jader Barbalho e Renan Calheiros, contando com seus antigos inimigos Collor e Sir Ney, todos eles hoje são aliados do PT. Todos defendem um Estado participativo, e todos pleiteiam quem cuida das verbas de qual estatal.

Em 31 anos de PT, uma frase resume seu período pré e pós-poder: o PT fez coisas boas e novas. O problema é que as coisas boas não são novas, e as coisas novas não são boas.

Aproveitando a ressurreição youtubesca do dia, pode-se muito bem afirmar que o PT acredita tanto no poder de distribuir renda das estatais quanto Costinha acreditava nos prêmios estatais que vendia - e, pelo michê de ambos (juntos), até eu acredito.

This entry was posted on quinta-feira, fevereiro 10, 2011 at 13:20 and is filed under , , , , , , , , , , , , , . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

4 pessoas leram e discordaram

Lech Walesa na TIME = Bill Murray

10 de fevereiro de 2011 13:53

Eu sempre lembro do Bill Murray se achando por estar fazendo aquela que muito provavelmente seria (e foi) a última entrevista do Joseph Campbell, até dizendo que "o jornalismo é a única profissão onde você aprende em público".

Depois de puxar saco do Campbell por uma boa meia-hora, resolve falar da sua própria fé e pergunta como se mantém a fé no mundo de hoje, recebendo um delicioso "quem estuda mitologia não precisa de fé nenhuma" em resposta.

10 de fevereiro de 2011 14:09

Uma pequena correção, o PT não "mudou", adaptou-se. Os hábitos e mentalidade estão ali, intocados. O "modelo Lula sem arranhões" nunca existiu, embora a piada pareça boa. Antes de ser presidente Lula defendia os companheiros que embolsavam "uns trocados" da perseguição da imprensa. Falou isso publicamente, estou tentando achar o registro.
Dizer que o PT "mudou", "maculou-se" nada mais é que a preservação de um mito. E isso é bom... Pra eles.

10 de fevereiro de 2011 14:40

Gostei do blog, Flavio! Tem mais um seguidor, o Fusca das Charges impiedosas. Se quiser buscar alguns rabiscos lá para 'adornar' suas matérias, fique à vontade!

22 de fevereiro de 2011 08:27

Postar um comentário